Cientistas de São Paulo produzem tomates sem sementes

01:58 Pesquisa e Inovação, Notícias 02/09/2017 - 10h52 Brasília Embed

Márcia Wonghon

Depois da uva e da melancia sem sementes, agora chegou a vez do tomate. O fruto, rico em substâncias que fortalecem o organismo e protegem contra o envelhecimento, é um dos mais usados na culinária em todo o mundo.

 

O experimento do tomate sem sementes foi feito por cientistas que trabalham com genética molecular de plantas, na Escola Superior de Agricultura de Piracicaba, no interior de São Paulo, após quatro anos de pesquisa.

 

O agrônomo Fábio Nogueira disse que a ideia é oferecer ao consumidor um maior aproveitamento do produto, já que, normalmente  as sementes são descartadas. Ele explica como foi possível desenvolver o tomate sem sementes, semelhante ao convencional, sem alterar o formato nem a cor.

 

Sonora: “O que nós fizemos foi identificar uma molécula de RNA a qual a gente conseguiu modificar. E, modificando essa molécula, a gente fez com que a planta não precisasse mais da etapa de polinização e fertilização para desenvolver o fruto.”

 

O pesquisador adiantou que o próximo passo do experimento será continuar com os testes para saber se houve mudança no sabor, no teor de açúcares e nos nutrientes. Segundo Nogueira, a equipe estuda a possibilidade de aplicar a mesma tecnologia para produzir outras frutas sem sementes a exemplo de melão, maracujá e goiaba.

 

Os pesquisadores já iniciaram contato com empresas do setor agrícola, com intuito de viabilizar a produção do tomate sem sementes, em larga escala, mas, ainda não há uma estimativa de quando o produto será disponibilizado para o consumidor, em supermercados e feiras, a nível nacional.