Donos da JBS indicam supostos pagamentos para Lula, Dilma, Serra e Marta Suplicy

01:17 Política, Notícias 19/05/2017 - 15h17 Brasília Embed

Priscilla Mazenotti

O Supremo Tribunal Federal (STF) divulgou nesta sexta-feira (19) mais de duas mil páginas de depoimentos dos donos da empresa JBS. Nas gravações, os empresários detalham o suposto pagamento de R$ 50 milhões para o ex-presidente Lula e de R$ 30 milhões para a ex-presidente Dilma Rousseff.

 

Segundo a delação, teria ocorrido também pagamento de propinas para os senadores José Serra e Marta Suplicy, bem como para o ex-ministro Antonio Palocci, o ex-deputado Eduardo Cunha e o ex-governador Sérgio Cabral.

 

A reportagem está em contato com a defesa dos citados.

 

Respostas:

 

- Luiz Inácio Lula da Silva  

 

Verifica-se nos próprios trechos vazados à imprensa que as afirmações de Joesley Batista em relação a Lula não decorrem de qualquer contato com o ex-Presidente, mas sim de supostos diálogos com terceiros, que sequer foram comprovados.


A verdade é que a vida de Lula e de seus familiares foi - ilegalmente - devassada pela  Operação Lava Jato. Todos os sigilos - bancário, fiscal e contábil - foram levantados e nenhum valor ilícito foi encontrado, evidenciando que Lula é inocente. Sua inocência também foi confirmada pelo depoimento de mais de uma centena de testemunhas já ouvidas - com o compromisso de dizer a verdade - que jamais confirmaram qualquer acusação contra o ex-Presidente.

A referência ao nome de Lula nesse cenário confirma denúncia já feita pela imprensa de que delações premidas somente são aceitas pelo Ministério Público se fizerem referência - ainda que frivolamente - ao nome do ex-Presidente.

Cristiano Zanin Martins e Roberto Teixeira

 

- Dilma Roussef 

 

A propósito das notícias a respeito das delações efetuadas pelo empresário Joesley Batista, a Assessoria de Imprensa da presidenta eleita Dilma Rousseff esclarece que são improcedentes e inverídicas as afirmações do empresário:


1. Dilma Rousseff jamais tratou ou solicitou de qualquer empresário ou de terceiros doações, pagamentos e ou financiamentos ilegais para as campanhas eleitorais, tanto em 2010 quanto em 2014, fosse para si ou quaisquer outros candidatos.


2. Dilma Rousseff jamais teve contas no exterior. Nunca autorizou, em seu nome ou de terceiros, a abertura de empresas em paraísos fiscais. Reitera que jamais autorizou quaisquer outras pessoas a fazê-lo.


3. Mais uma vez, Dilma Rousseff rejeita delações sem provas ou indícios. A verdade vira à tona.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA
DILMA ROUSSEFF