Rodrigo Janot diz que ficou surpreso ao ouvir gravações da JBS pela primeira vez

01:31 Política, Notícias 17/07/2017 - 15h28 Atlanta (EUA) Embed

Leandra Felipe

Em Washington, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse hoje (17) não ter acreditado, de maneira imediata, quando ouviu as gravações que envolviam o nome do presidente Michel Temer. 

 

Sem dizer nomes, mas referindo-se às delações do empresário Joesley Batista, proprietário do frigorífico JBS, Janot disse - durante a apresentação de um painel sobre a importância da delação premiada contra a corrupção - que a sua primeira reação foi de pensar que "era mentira e que aquilo não podia estar acontecendo". 

 

Mas depois, segundo ele, "foram apresentadas partes de uma gravação em que se comprovava envolvimento desses altos dignitários da República", que, para ele, comprovam "delitos gravíssimos". 

 

O procurador-geral também defendeu a imunidade concedida a Joesley Batista como "necessária" para que o acordo fosse feito e disse acreditar que a mesma garantia dada pelo Ministério Público Federal teria sido concedida nos Estados Unidos, caso houvesse uma investigação semelhante.

 

Na apresentação, Rodrigo Janot falou da importância dos acordos de colaboração premiada firmados pelo MPF.

 

E disse que aceitará com "naturalidade" a decisão da Câmara dos Deputados sobre autorizar ou não a abertura de um processo contra o presidente Michel Temer no Supremo Tribunal Federal. 

 

Janot disse estar tranquilo por ter feito o seu trabalho e que cabe à Câmara fazer a parte dela.