Relatório da Justiça Federal confirma pedido de indiciamento de Cunha e Geddel

02:44 Política, Notícias 15/06/2018 - 21h13 Brasília Embed

Samanta do Carmo

O relatório finalizado pela Polícia Federal na semana passada e divulgado nesta sexta-feira pela 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília confirma o indiciamento do ex-deputado Eduardo Cunha e do ex-ministro Geddel Vieira Lima, ambos do MDB,  pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e obstrução à Justiça.

 

Todos relacionados ao esquema de fraude na liberação de créditos para empresas junto à Caixa Econômica Federal.

 

Quando uma pessoa é indiciada significa que ela deixa de ser apenas suspeita, para ser considerada a mais provável autora do crime.

 

O caso é investigado pela Operação Cui Bono e os crimes teriam ocorrido entre 2011 e 2013, quando Geddel era vice-presidente de pessoa jurídica do Banco e Cunha era presidente da Câmara dos Deputados.

 

De acordo com o relatório da PF, Cunha e Geddel recebiam vantagens indevidas de empresas e em troca, facilitavam a liberação de empréstimos bancários para os empresários.

 

A Operação Cui Bono deu origem a outra investigação que em setembro de 2017 encontrou malas com R$  51 milhões em dinheiro vivo em um apartamento usado por Geddel em Salvador. Ele foi preso dias depois disso.

 

A acusação de obstrução de Justiça que consta no relatório da PF, se refere a compra do silêncio de Lúcio Funaro para que ele não revelasse detalhes sobre o esquema de corrupção na Caixa. Funaro é conhecido como responsável por viabilizar as operações financeiras com o dinheiro desviado para Eduardo Cunha.

 

A Polícia Federal levanta a suspeita de que o presidente Michel Temer tinha conhecimento e concordava com o fato do empresário Joesley Batista tentar comprar o silêncio de Eduardo Cunha, preso no Paraná.

 

A defesa de Geddel disse que não vai se manifestar sobre o assunto e que até o fechamento desta reportagem a defesa de Cunha não rrtornou os nossos contatos.

 

O Palácio do Planalto divulgou nota nessa quinta-feira afirmando que é mentirosa a insinuação de que Temer incentivou pagamentos ilícitos ao ex-deputado Eduardo Cunha e ao operador financeiro Lúcio Funaro.

 

A nota diz ainda que a gravação dos diálogos entre Temer e o empresário Joesley Batista foi deturpada.

 

O Planalto sustenta que a frase " tem que manter isso, viu" não se refere a autorização de pagamento de propina a Cunha, e que na verdade era um incentivo ao empresário para manter uma boa relação com o ex-deputado.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique