Fachin prorroga inquérito envolvendo empreiteira, Temer e ministros

01:39 Política, Notícias 03/08/2018 - 09h21 Brasília Embed

Kariane Costa

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, deu um prazo de 60 dias para a conclusão das investigações sobre inquérito envolvendo a empresa Odebrecht, o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência.


A suspeita da Policia Federal (PF) partiu da delação premiada do ex-executivo da Odebrecht Claudio Melo Filho.


O delator afirma que Temer participou de um jantar no Palácio do Jaburu, em maio de 2014, quando era vice-presidente, para pedir R$ 10 milhões como forma de ajuda de campanha ao MDB, tendo como contrapartida o favorecimento à empresa.


O acordo, segundo o delato, teria sido intermediado por Padilha e Moreira Franco que foram ministros da Secretaria da Aviação Civil, entre os anos de 2013 e 2015. Em março, Temer foi incluído por Fachin como alvo do inquérito.


O Palácio do Planalto já confirmou, no ano passado, que o jantar de fato ocorreu e que foram tratados temas relativos à campanha presidencial, mas negou que na conversa tenham sido discutidos valores.


Para embasar o pedido de prorrogação de prazo, a PF argumentou também que precisa de mais tempo para analisar celulares entregues pelos ex-executivos da Odebrecht Claudio Melo Filho e José de Carvalho Filho.


O Palácio do Planalto informou que não vai se manifestar sobre a decisão.


Com informações da Agência Brasil.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique