Ministros do TSE não veem privilégios em entrevistas exclusivas de Bolsonaro

01:41 Política, Notícias 11/10/2018 - 16h22 Brasília Embed

Sayonara Moreno

Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral não consideram que houve privilégio em entrevistas exclusivas feitas com o candidato Jair Bolsonaro, antes do primeiro turno das eleições.


Durante a sessão da corte, nesta quinta-feira, os ministros avaliaram duas representações: uma do partido PSOL e uma do PT.


A primeira questiona entrevista exclusiva feita pela TV bandeirantes, a Jair Bolsonaro, ainda no hospital, enquanto se recuperava da facada que levou no mês de setembro.


A segunda representação foi contra a mesma entrevista e também contra uma entrevista à rádio Jovem Pan.

 

No pedido, o PSOL considera que Jair Bolsonaro teve 45 minutos para falar sobre o episódio da facada, sua recuperação, investigação do caso e aproveitou para expor planos de governo e propostas de diversos assuntos. Por isso, pediam que as emissoras também os entrevistassem.

 

O relator do caso, ministro Sérgio Banhos, defendeu que se fosse em outra situação, o caso poderia ser avaliado como violação à lei eleitoral.

 

Mas ele ponderou que Bolsonaro estava impedido de fazer campanha política e de comparecer aos debates, devido ao ferimento que sofreu.


E que esta situação configura como um fato jornalístico. Ou seja, o fato de um candidato estar fora do debate e ser ouvido ainda no hospital não poderia ser ignorado, já que ele foi prejudicado na campanha eleitoral.

 

Os outros ministros, com exceção do ministro Tarcísio Vieira, seguiram o voto do relator e concordaram que não caberia multa à TV Band. No caso relacionado à Rádio Jovem Pan, a decisão foi a mesma, mas unânime.

Deseja fazer algum tipo de manifestação?

Favor copiar o link do conteúdo ao apresentar sua sugestão, elogio, denúncia, reclamação ou solicitação.