agario unblocked agario - yohoho - agario - agario - slitherio

Comissão da Câmara apura violência sexual contra meninas quilombolas de Goiás

00:00 Direitos Humanos, Notícias 20/04/2015 - 01h19 Brasília Embed

Juliana Cézar Nunes

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados realiza nesta segunda-feira (20) uma audiência pública na cidade goiana de Cavalcante, a 300 quilômetros de Brasília.

 

Parlamentares, representantes do governo, Ministério Público e sociedade civil apuram denúncias de que meninas da comunidade quilombola Kalunga estariam sendo submetidas em Cavalcante a trabalho doméstico, abuso, estupro e exploração sexual.

 

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, deputado federal Paulo Pimenta, considera a audiência pública uma forma de garantir a punição dos responsáveis pelas violações.

 

SONORA: “É uma cidade pequena, existem relações de amizade, de parentesco, existem determinadas condutas que pelo que eu observei eram aceitas até com uma certa naturalidade por determinados setores da comunidade. São situações muito graves, que envolvem denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes, relações que chegam em determinadas circunstâncias quase ao limite de escravas sexuais.”

 

O governo federal já acompanha o caso por meio da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir).De acordo com a secretária de Políticas para Comunidades Tradicionais, Givânia Maria da Silva, os principais desafios são garantir agilidade da Justiça e levar políticas públicas para a comunidade Kalunga.

 

SONORA: “O que nós estamos fazendo é tensionando para que a Justiça dê resposta aos casos que foram denunciados e que até hoje não foram julgados. Sabemos que há carência ainda de políticas públicas, nós convidamos e estamos tratando com o governo do estado de Goiás para que a gente possa não só coibir as práticas de abuso contra as crianças e adolescentes do povo Kalunga, mas também melhore e ofereça oportunidade e melhoria na qualidade de suas vidas.”

 

O presidente da Associação Quilombola Kalunga, Vilmar de Souza Costa, diz que a comunidade está surpresa e indignada com as denúncias de estupro de meninas. Ele afirma que a falta de escolas, esporte e lazer deixa as crianças e adolescentes ainda mais expostas.

 

SONORA: Se tivesse escola na comunidade, para os jovens não terem que sair da sua casa tão novo, tão cedo, pra fora, então muitos problemas desse seriam resolvidos. Os jovens têm sonho pra resolver, quer ter estudo, os pais querem que o filho estuda também. Os jovens saem da comunidade sem nenhuma malícia e acontecem algumas coisas que não é legal.”

 

A comunidade quilombola Kalunga foi criada a partir da luta de africanos escravizados na região onde hoje se situam os municípios goianos de Teresina, Cavalcante e Monte Alegre. Trata-se do maior território quilombola já identificado no Brasil, com cerca de oito mil pessoas.

 

*A situação de abuso sexual de meninas quilombolas em Cavalcante ganhou visibilidade após publicação no início de abril de uma série de matérias do repórter Cleomar Almeida, do jornal O Popular.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique