agario unblocked agario - yohoho - agario - agario - slitherio

Contas públicas de maio registram déficit de R$ 14,7 bilhões

04:09 Economia, Notícias 27/06/2019 - 10h37 Brasília Embed

Victor Ribeiro

O Tesouro Nacional divulgou nessa segunda-feira (24) o relatório do resultado primário das contas do governo. O levantamento aponta que as contas públicas continuam no vermelho.

 

O déficit registrado no mês de maio alcançou o valor de R$ 14,7 bilhões. É menor que a projeção inicial de déficit de R$ 15 bilhões, mas é maior que os R$ 11 bilhões negativos registrados no ano passado.

 

Mansueto Almeida atribuiu o resultado à queda na arrecadação de impostos, que deve chegar ao fim do ano com redução de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) - soma de todas as riquezas do país.

 

Em valores reais, o acumulado no ano é de R$ 17,3 bilhões no vermelho, maior que os R$ 15,9 bilhões de déficit acumulado de janeiro a maio do ano passado.

 

Para tentar controlar esse resultado, o governo contingenciou R$ 32 bilhões em despesas discricionárias no orçamento deste ano. São gastos não obrigatórios, como diárias de viagem e pagamentos a fornecedores, entre serviços de água, luz e vigilância.

 

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, alertou que o investimento público também é um importante componente da despesa discricionária.

 

Como essa despesa está no menor nível desde o começo da série histórica, em 2009, o investimento também reduziu. Para o secretário, a situação não vai mudar muito até o fim do governo, porque a reforma da Previdência não faria o gasto diminuir - mas a despesa cresceria mais devagar.

 

Por isso, o governo ainda vai demorar a retomar os investimentos, mesmo com a aprovação da reforma.

 

O economista da Órama Investimentos Alexandre Espírito Santo destacou a importância das reformas tributária e da Previdência. Ele afirmou que a economia ainda vai levar tempo para melhorar e concordou com a equipe econômica, que descarta aumento de impostos.

 

O especialista em orçamento e finanças públicas Paulo Brasil Correa de Mello avaliou que o governo precisa priorizar as despesas e melhorar a articulação com o Congresso Nacional, para aprovar as reformas.

 

Ainda de acordo com o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, alguns órgãos públicos podem ter dificuldades para pagar serviços prestados até o fim do ano. E isso pode impactar as contas no ano que vem. A equipe econômica prevê que o cenário para os próximos dez anos vai exigir controle rigoroso das despesas.

 

A dívida pública deve encerrar o ano no valor que se aproxima de 80% do PIB. Esse percentual pode atingir o auge no ano de 2022, quando deve corresponder de 82% a 89% do PIB.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique