agario unblocked agario - yohoho - agario - agario - slitherio

Símbolo da resistência, Província do Amazonas declarou abolição da escravatura em 1884

03:37 Geral, Notícias 12/05/2018 - 09h04 Brasília Embed

Juliana Cézar Nunes

10 de julho de 1884. Quase quatro anos antes da princesa Isabel sancionar a Lei Áurea, a província do Amazonas declarava a abolição da escravatura. O documento foi assinado pelo governador Theodoreto Souto, mas é reflexo da luta de várias comunidades negras e abolicionistas do norte brasileiro. Entre elas, as comunidades quilombolas localizadas às margens do Rio Andirá, no baixo Amazonas.

 

Maria Amélia Castro faz parte de uma dessas comunidades. Ela é bisneta do fundador, Benedito Rodrigues da Costa, que veio da Angola para o Brasil na condição de escravo, traficado por portugueses e espanhóis. Benedito teria fugido a nado pelos rios do Amazonas.

 

Sonora: "Meu bisavô que meu avô contava, que meu pai contou, o meu avô também ainda tive a oportunidade em 69, tive a oportunidade de dizer pra gente que o pai dele tinha vindo da África junto com os portugueses e os espanhóis. Os espanhóis ficaram na entrada em frente à Barreirinha e ele, como negro Benedito, subiu o rio e ficou no rio Andirá onde ele casou com Jerônima e formou família.”

 

Maria Amélia completa 58 anos neste 13 de maio e, apesar da abolição da escravatura no Amazonas ser anterior a essa data, ela considera o marco importante para a luta negra como um todo.

 

Sonora: "Hoje é diferente. A gente não tem mais vergonha de dizer: 'eu sou negra'. Eu vim de uma negritude, de uma geração diferente, de uma geração de seres humanos já reconhecidos como pessoas."

 

As cinco comunidades quilombolas do Rio Andirá possuem escolas onde é obrigatório o ensino da história negra no Brasil. Adriane Nogueira, de 20 anos, estudou em uma delas e agora tenta passar no vestibular para medicina. Neta de Maria Amélia e descendente de Benedito, ela quer levar adiante o conhecimento que recebeu dos mais velhos.

 

Sonora: "Eu acho muito bonito o que a minha vó faz, corre atrás. Há muitas coisas que acontecem em volta disso, pessoas que não gostam de ver o reconhecimento sobre isso."

 

A comunidade quilombola do Muquém, em Alagoas, também luta para ensinar às novas gerações a história de resistência pela liberdade. Muquém fica ao lado da Serra da Barriga, onde durante quase 100 anos resistiu o quilombo dos Palmares. As crianças e adolescentes da comunidade participam de projetos de capoeira, percussão e dança. Thaís Patrícia Paulino, mais conhecida como Dandara, faz parte dos cursos de dança e já trabalha como guia de turismo.

 

Sonora: "É gratificante esse trabalho, por ser uma mulher palmarina a fazer esse trabalho, passar a história de Palmares, é um símbolo de resistência negra do mundo, não só do Brasil. Da parte do turismo que a gente tenta valorizar a cada dia."

 

Quase 200 anos antes do 13 de maio de 1888, Zumbi dos Palmares foi morto em Alagoas. Desde o ano passado, o quilombo liderado por ele é considerado Patrimônio Cultural do Mercosul como marco de luta pela liberdade.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique